Quem escreve



Rafaela Venturim, Rafa ou Rafinha. Meu nome originalmente seria Júlia ou Juliana, mas acabou sendo Rafaela mesmo. Tenho 22 anos, nasci no penúltimo dia de agosto. Os cabelos ruivos não são de fábrica (mas poderiam ser), só a pele clara como neve e as sardas. Tenho sol em virgem, ascendente em aquário e lua em gêmeos — e, sim, acredito na astrologia; também sou espírita e tenho isso muito forte em mim, sem qualquer tipo de vergonha; falo de Deus o tempo inteiro e, quando não literalmente, tô só falando de amor mesmo. 

Moro em Vitória (não a Da Conquista), uma pequena ilha no Espírito Santo, desde que nasci. Gosto daqui, não me vejo vivendo em um lugar diferente, apesar de viver aspirando passar um período da vida longe daqui. Vitória tem um ar que me agrada, pessoas bacanas (apesar de ter muita gente babaca também, como em todo lugar) e tudo é perto de tudo, então não consigo imaginar como deve ser a vida nessas outras cidades que são enormes e tudo é longe.

Faço Direito — insira sua piadinha aqui (tem um leque bem grande, pode escolher a melhor). Sei lá o motivo. Sempre pensei que faria Direito (tá, já pode parar com as piadinhas), mas no terceiro ano eu escolhi que faria Jornalismo. Passei em Jornalismo na UFES e Direito na FDV. Na batalha do primeiro período, a FDV levou a melhor e, desde então, sou graduanda em Direito (é sério, chega de piada), estou no nono período, mas não sei o que serei quando crescer (leia-se: não sei qual profissão quero seguir após a formatura).

Pra sobreviver ao caos que é viver com o Direito, eu gosto de ler, ver seriados e filmes, escrever ou ouvir uma playlist inteirinha de funk no Spotify. Também gosto de ir à academia, pra desestressar, o que só é possível porque ela é direcionada tão exclusivamente a mulheres. Sou feminista interseccional, aliás, que vive constantemente tentando entender as outras vertentes e já passou longos meses se denominando humanista, como se isso fosse algo significativo. Hoje, não sou humanista. Sou feminista, com todas as letrinhas, e garrafais, se preciso for.

Não sei fazer baliza, apesar de já ter quase dois anos de carteira. Só vou em lugares onde sei que não terei problemas com estacionamento, uma vez que também não sei lidar com imprevisibilidades — volte ali em cima e veja o meu mapa astral; tá tudo explicadinho. Apesar disso, eu vou me virando por aqui e rabiscando algumas coisas no meio do caminho. Algumas delas, viram textos e aparecem aqui. Outras, eu só deixo nos rascunhos, como um monte de coisa que penso e não falo.

Pra falar comigo, cê pode me encontrar nas redes sociais por aí ou me mandar um e-mail, eu juro que leio e respondo com muito amor. Contato: rafaelaventurim@hotmail.com
Tema base por Maira Gall | Edição por Giuliana Motyczka